Comentário: “Fabricado na China” é indivisível para empresas norte-americanas

0
21

A China foi forçada a tomar contramedidas diante da imposição pelos Estados Unidos de 10% de tarifa adicional às exportações chinesas no valor de US$300 bilhões. Alguns políticos norte-americanos ameaçaram aumentar mais a taxa e até pediram que suas empresas se retirassem imediatamente do mercado chinês para procurar alternativas. Tal afirmação chocou o setor empresarial de Washington e enfrentou severa oposição.

Negócios são negócios. É difícil deixar de lado as vantagens para as empresas transnacionais estarem presentes na China, incluindo as norte-americanas. Por outro lado, o país possui enorme mercado de consumo, com classe média de 400 milhões de pessoas. A Federação Nacional do Varejo norte-americana já declarou que é irrealista ficar isolada da segunda maior economia do mundo.

Por esse motivo, a China evidencia a contracorrente no contexto da desaceleração do aumento do investimento estrangeiro direto em todo o mundo. Nos primeiros sete meses, mais de 24 mil empresas com participação estrangeira estabeleceram-se na China, investindo 530 bilhões de yuans, com aumento de 7,3% em relação ao mesmo período do ano passado.

É notável que no primeiro semestre as companhias norte-americanas também levaram US$6,8 bilhões de investimento para China, segundo dados divulgados pela consultaria Rhodium Group. Como por exemplo, a gigante de veículos elétricos Tesla planeja instalar sua fábrica mundial em Shanghai e o líder de investimento Bain Capital financia US$570 milhões a um fornecedor de dados chinês Qinhuai. O comportamento demonstra que as empresas norte-americanas não querem deixar o mercado chinês, mas sim desejam se envolver de forma mais profunda.

A China é capaz de fornecer cadeia de produção e suprimento completa para as empresas transnacionais reduzir ao máximo seu custo, no que reside a vantagem insubstituível do país. Metade das fábricas fornecedoras da Apple está localizada na China. Antes em Julho, a empresa pediu a Washington isentar 15 tipos de produtos chineses de tarifa adicional, sustentando um motivo simples: os componentes projetados pela Apple não têm outra opção de suprimento.

Além disso, a infraestrutura da China constrói uma poderosa rede de transporte rodoviário, ferroviário e portuário, o que facilita em grande medida a logística das empresas. Já a eficiência dos trabalhadores chineses tem sido a mais competitiva no mundo, isso sem mencionar o nível de ensino e a crescente criatividade.

Roma não é construída em um dia, nem uma “fábrica mundial”. Algumas pessoas nos Estados Unidos imaginam que podem levantar arranha-céus em curto tempo, o que não corresponde às leis básicas da economia e ainda atrapalha o funcionamento normal do mercado.

Nenhuma empresa quer ignorar um mercado com 1,4 bilhão de pessoas. A força do “fabricado na China” vem da dotação de recursos e da diligência do povo chinês. À medida que há ampliação de abertura da China, a “fábrica mundial” continua melhorando e vai trazer mais oportunidades de desenvolvimento para quem tiver boa relação com o mercado chinês.

Tradução: Isabel Shi

Revisão: Diego Goulart

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, deixe o seu comentário
Por favor digite o seu nome